Bom dia, Quinta Feira 02 de Julho de 2020

Geral

Justiça Federal determina que prefeitos de 21 cidades de MT adotem 'lockdown' contra Covid-19

LOCKDOWN | 30/06/2020 14h 11min

Aumento nos casos de Covid-19 na região Oeste motivou pedido à Justiça Federal — Foto: Ernesto Benavides / AFP

A Justiça Federal determinou nessa segunda-feira (29) que prefeitos de 21 municípios localizados na região Oeste de Mato Grosso adotem o sistema 'lockdown' (fechamento total) para combater os casos de coronavírus (Covid-19).

A decisão é do juiz federal Rodrigo Bahia Accioly Lins, que atendeu a um pedido do Ministério Público Federal (MPF), Ministério Público Estadual (MPE) e Defensoria Pública.

Os 21 municípios deverão adotar as medidas de isolamento e restrição semelhantes ao decreto de ‘lockdown’ de Cáceres, a 220 km de Cuiabá.

 

Constam na lista as seguintes cidades:

 

 

  • Cáceres,
  • Araputanga,
  • Comodoro,
  • Conquista D'oeste,
  • Curvelândia,
  • Figueirópolis D'oeste,
  • Glória D'oeste,
  • Indiavaí,
  • Jauru,
  • Lambari D'oeste,
  • Mirassol D'oeste,
  • Nova Lacerda,
  • Pontes e Lacerda,
  • Porto Esperidião,
  • Porto Estrela,
  • Reserva do Cabaçal,
  • Rio Branco,
  • Salto Do Céu,
  • São Jose Dos Quatro Marcos,
  • Vale De São Domingos,
  • Vila Bela Da Santíssima Trindade

 

No pedido, as autoridades narraram aumento dos casos de Covid-19 na região Oeste de Mato Grosso, que conta com 22 municípios e aproximadamente 320 mil habitantes, tendo a cidade de Cáceres como polo de saúde da região.

A opção de lockdown foi vista como forma de contenção e diminuição da velocidade de contágio da doença.

 

“Conforme amplamente divulgado, todos os leitos de Cáceres estão com sua lotação máxima. E lotação máxima significa que, se qualquer pessoa da região Oeste com sintomas de COVID-19 precisar de um leito de UTI, muito provavelmente não terá, devendo se deslocar para outra região do Estado. Porém, infelizmente, já existem mais de 50 pessoas na fila de espera por essas vagas em todo o estado", consta trecho da decisão.                                                                                                                                                               

Fonte:   G1 MT